O imortal não é invulnerável

Risco é falta de informação; a incerteza é a base do risco.

Todo risco é controlado com o tempo, este mesmo recurso que passa enquanto está lendo este trecho. A cada dia diminuímos as dúvidas do amanhã. Pode ser difícil saber o que estará fazendo nesta mesma hora daqui a um ano, mas e amanhã? Risco está no futuro.

Somos escravos de nossas certezas. Podemos gastar uma vida inteira sentado e esperando tempo, dinheiro, conhecimento, experiência ou qualquer outra coisa suficiente para tomarmos decisões, ou experimentamos viver além das certezas. Segurança é uma falsa invulnerabilidade.

 

“As pessoas pedem coisas simples quando estão perto de morrer, para fazer aquilo que elas poderiam ter feito, mas deixaram de fazer.” – Mário Sérgio Cortella

 

marvrisk

“Nós estamos tão atarefados olhando com que está a nossa frente, que não temos tempo de aproveitar onde nós estamos.” – Calvin

 

Certa vez alguém me disse que queria deixar algo para as pessoas lembrarem. Fiquei pensando sobre como algumas pessoas procuram formas de se imortalizar, seja em um grande ato e/ou em alguém. Nos imortalizar não é uma escolha fácil, uma frase atribuída a Buda diz: sua tarefa é descobrir o seu trabalho e, então, com todo o coração, dedicar-se a ele.

O imortal não é invulnerável. Todos os imortais humanos morrem, talvez seja por isso que eles tornam-se imortais. Assim deixo minha reflexão; ser imortal ou invulnerável?

Esperançar é se levantar, é ir atrás, é construir, é não desistir, é levar adiante, é juntar-se com outros para fazer de outro modo [Não Nascemos Prontos].

Fontes:

[Não Nascemos Prontos] Livro “Não Nascemos Prontos” Mario Sérgio Cortella, Edição Ano 2006, Editora Vozes.

 

 

 

Jhoney Lopes

Podia ser Mestre Jedi, mas é Mestre em Engenharia de Software pela Universidade Federal de Viçosa – UFV, tá na luta como Empreendedor e desenvolve aplicativos em iOS por paixão e profissão. Sim, Worklover! =] Mantra: “De modo suave você pode sacudir o mundo.” – Mahatma Gandhi