Uma conversa sincera sobre liderança

Especialistas não faltam quando o assunto é liderança, a arte de conduzir indivíduos por um objeto em comum é assunto retrato em diversos livros, manuais, palestras e até em filmes inspiradores. Como liderar pessoas tão diferentes? Como incentivar que minha equipe de trabalho busque bater as metas tanto quanto eu? Como posso ser o ponto de referência em uma organização? De fato, não há receita para ser um bom líder, mas há um bom conselho que quero lhe fazer: liderar não é comandar, delegar ou simplesmente tomar a decisão, liderar é saber desde seu primeiro dia enquanto “chefe” que um dia você não estará mais lá.

O movimento empresa júnior é marcado pela rotatividade, seja a gestão de 6 meses ou 1 ano, o tempo em que uma pessoa fica à frente de um departamento é célere, incrivelmente célere se comparado com outras organizações. Seja enquanto membro da Colucci, seja enquanto membro da FEJEMG, percebi o quanto o tempo era vital e, no meu caso, com uma gestão de 6 meses, todas as minhas ações foram tomadas com a ciência que eu não tinha 180 dias para ser Diretor de Qualidade, eu tinha até 180 que um(a) novo(a) diretor(a) assumisse, e eu não admitira um(a) sucessor(a) que não fosse muito melhor do que eu fui!

Preparei cinco temas importantes que acredito que ajudará você, trainee ou gerente, independente da organização que faça parte, a entender melhor o processo de liderança, são eles:

a. A importância de se formar um sucessor

Pode parecer um clichê falar que sempre desejamos um sucessor melhor do que fomos, uma adaptação de que um pai quer sempre que seu filho seja muito mais daquilo que ele foi. Mas isso é um mantra que não pode ser simplesmente reproduzido como “mais e melhores projetos”, deve ser algo de cor, internalizado no coração, que seja um sentimento genuíno tanto quanto amor de mãe ou pai: seus liderados são seus pupilos, claro que nem todos irão lhe substituir, mas o seu sucesso enquanto líder é ver seus liderados alcançar voos maiores que os seus. Liderar é dedicar e se integrar!
Saber preparar seu sucessor é avisa-lo que ele um dia será líder desde o primeiro dia dele, caso ele busque e conquiste, pois a todos os demais deve ser dada a devida oportunidade. Pessoas são diferentes, lógico que são, uma equipe de sucesso sempre terá peças raras e variáveis, diversos pontos positivos, assim como inúmeros pontos negativos. Liderar é conhecer sua equipe a dedo, muito além de saber do que quem trabalha com você é bom, é reconhecer o defeito de cada um, e trabalhar com isso! Defeitos nada mais são que oportunidades de melhoria, e estamos sempre aprendendo, pois nascemos sem saber andar e falar, com o passar dos anos aprendemos a dirigir e até a falar outras línguas, quem disse que um liderado não pode aprender com seus erros?

b. Como o erro é aprendizado

Valorize o erro! O erro é mais importante que o acerto, pois com o erro vem o aprendizado. Considero, é lógico, que existem casos e ocasiões em que um erro pode ser fatal, uma falha num planejamento financeiro de uma instituição é vital, mas saiba que você um dia já errou, saiba que você ainda erra, e todo dia, somente em graus diferentes. Reconheça o erro do seu liderado como uma forma de aprendizado, tanto dele quanto pra você: um esporro nunca será uma forma adequado de se liderar, muito menos de sensibilizar o liderado, uma conversa sincera, madura e educada, em que você construa com seus liderados os motivos e causas que levaram à falha, e mais importante, quais serão os caminhos a serem seguidos para que esse erro não se repita e que os problemas ocasionados sejam sanados. Cada erro é uma oportunidade de você aprender como pessoas podem melhorar com o tempo, que boas intenções não impedem erros e que liderados podem viver os seus sonhos.

c. O valor do exemplo

Estando à frente de um cargo de liderança é óbvio que seu papel é o exemplo, não basta exigir o uso do crachá se você não usa, não é mesmo? Mas o fato é que exemplo deve ser horizontal, e não vertical. Seja você Diretor, Gerente, Coordenador ou qualquer outro nome que você possa dar, a sua diferenciação de cargo para os demais é fruto de mera divisão de competência como forma de possibilitar o andamento da sua organização.

d. Assumir a falha e dar voz ao time

Ser um bom líder é sempre tratar todos como semelhantes, estabelecer que todos estão no mesmo patamar e que não há, de fato, um pedestal que coloca você, enquanto líder, acima dos demais. Influencia, construa esse patamar em que todos são iguais: sempre dê oportunidade de fala a todos, respeite todas as opiniões colocadas na mesa, valorize principalmente as visões que vão de encontro com as suas, ser um bom líder é ter a hombridade de reconhecer que você não está sempre certo, que mudanças podem ser tomadas e que, enquanto líder, você gerencia talentos, são pessoinhas incríveis que trabalham com você que trazem inovações, geração resultados, batem metas, dobram o faturamento, vendem milhões, batem recordes e constroem em mármore a história de uma instituição, você só tem a dádiva de conviver com eles.

Se caímos, caímos juntos. Se levantamos, foram vocês que me jogaram pra cima!

e. Conheça seus liderados e viva os sonhos deles

Valorizar a sua equipe é sempre essencial, mas não é o bastante. Não basta na reunião de resultado falar que os números são construção de todos, é preciso ir além, reconheça pessoa por pessoa por cada conquista, por cada avanço, citar as colaborações de cada um por uma meta batida que seja é demonstrar que uma instituição de sucesso é consequência de pessoas unidas pelo mesmo proposto. E claro que nem tudo são flores, é fácil liderar quanto tudo está bem, mas se você é o capitão no meio de uma tempestade em alto mar, saiba que apontar dedos para culpados não resolver nada, mesmo que seja pra terceiros, fora da sua equipe, já falei de erro, mas aproveito pra falar: erros individuais, depois de ocorridos, devem ser assumidos pelo todo, se é o todo que conquista o resultado, o todo irá assumir. Somente covardes terceiram a culpa, e se for pra individualizar a falha, cabe a figura do líder, que deve ter a responsabilidade de assumir uma falha interna perante aos demais. Não existe vergonha em admitir que você não foi competente o suficiente ao ponto de capacitar sua equipe, existe vergonha em falar “foi culpa do fulano”, isso é papel de déspota, não de líder.

Conheça seus liderados como ninguém, se possível, os conheça até mais do que eles mesmo, se interesse, converse, questione, seja amigo e parceiro independente do clima, dia ou horário, saiba se seu liderado gosta de café forte ou fraco, quais séries ele assiste, que tipo de música ele ouve ou até o que ele faz no tempo livre. Liderar é conceber uma infinidade de diferenças representadas pela sua equipe reunida por um proposto e objetivo em comum, enquanto líder, você deve ser a liga, o conector que proporcione essa união na busca de resultados.

Viva os sonhos deles, pois eles viverão os seus. Sinta com eles cada perda e cada alegria, pois eles nunca esquecerão de ti, proporcione o máximo possível que eles se desenvolvam ao ponto de ser muito melhores do que você um dia já foi, pois quando isso acontecer, você saberá a alegria de liderar indivíduos incríveis e excepcionais por excelência, também conhecido como seus liderados.

Item extra: A Humildade Segundo Jim Collins

Por último, deixo a consideração de Jim Collins, no conceito conhecido como Liderança Nível 5 – algumas citações feitas pelo autor que apenas refletem os comentários que fizemos acima.

O conceito de Liderança Nível 5 possui vasta área de atuação, seja num trabalho em grupo até ao ocupar o cargo de presidente, idealizado após uma análise de liderança que resultou em seu livro “Empresas feitas para vencer.”

Líderes níveis 5 são aqueles que possuem as habilidades dos outros quatro tipos de líderes, quais sejam, nível 1 (capacidades individuais), nível 2 (as de equipe), nível 3 (as de administração) e nível 4 (as de liderança). O líder nível 5 possui todas essas capacidades, e, além disso, tem humildade.

Líderes níveis 5 não são pessoas famosas, CEO’s que todos conhecem, mas pessoas pacatas que não estão preocupados com construir suas respectivas histórias, mas sim, construir a história do projeto que lideram, com a humildade de não se gabar de todos os louros, aceitando o desconhecimento do grande público, e se dedicando de forma a conseguir os objetivos da empresa, e não seus pessoais.

A um líder nível 5 cabe somente deixar um legado, pois se sabe que um dia você não estará lá e legado, como eu ouvi uma dia, não é voltar em organização anos depois e alguém falar que essa ou aquela ferramenta foi inovação do fulano, é voltar depois de ano e ver suas inovações depois de tempos funcionando.

Abaixo algumas atitudes no dia a dia que podem ajudar a formação de um líder excelente:
1. Escutar diversos pontos de vista antes de tomar as decisões
2. Valorizar a tarefa de cada membro da equipe para chegar aos resultados (e demonstrar essa valorização na empresa)
3. Chamar para si a responsabilidade de algum fracasso da equipe, mesmo que a “culpa” não seja do líder
4. Evitar falar de si próprio nas reuniões e palestras e utilizar exemplos de outras pessoas da equipe
5. Dar o exemplo de humildade em cada atitude

Espero que essas considerações você possa refletir sobre como você impacta nos seus liderados, qual sua forma de liderança, e se até você é realmente um líder nível 5. Como disse no começo do texto, não há receita de sucesso, e não há nada que não se aprenda com a prática. Se é permitido uma recomendação, ou uma espécie de cartilha de liderança, duas coisas: seja sempre humilde, principalmente ao admitir seus erros e escutar todos ao seu redor, seja sempre persistente, nunca desista dos sonhos de todos aqueles que ajudam construir o seu e da organização em que você lidera.