O Banqueiro dos Pobres

Em 1974, o economista Muhammad Yunus  identificou que as teorias que ensinava nas aulas Universidade de Chittagong, envolvendo milhões de dólares, eram divergentes a realidade encontrada nas ruas Bangladesh, onde a maioria da população não tinha acesso sequer a comida, e iniciou uma revolução local que se espalhou pelo mundo. O Banco Grameen, cunharia conceitos como microcrédito e negócios sociais, e daria a Yunus o título de ‘‘Banqueiro dos Pobres’’, e o Prêmio Nobel da Paz em 2006.

 yunus nobel

 

No livro, Yunus conta essa história em uma narrativa envolvente e cheia de lições. Confira alguns trechos:

‘‘Aprendi igualmente que as coisas nunca são tão complicadas quanto se imagina. É a nossa arrogância que muitas vezes nos leva a procurar respostas complexas para problemas simples.’’

‘‘Em outras palavras, a caridade, como o amor, pode se transformar numa prisão […] É preciso dar condições para que o indivíduo supere a pobreza pelo seu esforço ’’

‘‘Mesmo se em termos absolutos os pobres que vivem nos países desenvolvidos tem mais bens físicos e financeiros que os do terceiro mundo, o fosso psicológico é imenso e torna mais difícil suportar a miséria numa sociedade de relativa abundância.’’

Deixe uma resposta